Os que gostam de ler

O segredo do Rio Jordão - Cap. 1


Capitulo 1


Foto de Caio Tozzi

Quando começaram a namorar ele tinha vinte e um. Era muito jovem. Quando descobriu que ela fazia parte de um grupo de pessoas que rezam o terço na casa das outras pessoas ficou claro que deveria tomar outra postura para ter alguma relação carnal com Beatriz. Era simples assim, ele se comportaria durante alguns meses e enquanto isso procurava um jeito de fazer a cabeça dela. Convenceria ela de que deveriam dormir juntos e quando isso acontecesse, pronto, acabou, mais uma mulher conquistada e feita para o mundo.

No colégio ele era conhecido como o “senhor quebra cabaço”. Gostava dessa reputação. As pessoas olhavam para ele com respeito. Alguns com ódios, pois gostava de roubar as namoradas daqueles pobres coitados que se quer tinham um centavo no bolso para levar a namorada para tomar um sorvete. E ele, como não era bobo, pegava o carro do pai – que também era um porcaria como o filho – e saia pagando de playboy. As meninas adoravam sair com rapazes com carros. Elas pediam a ele que as levassem para qualquer lugar: “eu vou pra onde você me levar Gustavo”. E era essa a boa reputação que Gustavo queria manter, do cara que pega as menininhas que gostavam de dar uma volta no carro. E não só isso, mas o “senhor quebra cabaço”, pois todas essas menininhas eram virgens, e com a ajuda da aparência do carro, elas achavam que Gustavo era mais velho – por que dirigia, mas ainda não tinha habilitação – logo, faziam qualquer coisa para que ele as levasse para onde Gustavo queria levar.

Quando conheceu Beatriz pensou que poderia aplicar o mesmo golpe. Ela já estava na faculdade e ainda não havia se deitado com um cara. Era a chance de Gustavo deflorar uma garota da faculdade. Isto por que a maioria das garotas – as belas – da faculdade já não eram mais virgens, isto por que a maioria delas já andaram de carro antes dois quinze. Então, quando Gustavo ficou sabendo que Beatriz era a pedra preciosa da sala de aula, não perdeu tempo.

Quando sentou do lado de Beatriz pela primeira vez estava na sala o professor de filosofia. Ele estava falando alguma coisa sobre o mito da caverna, uma teoria criada por um sujeito chamado Platão e que viveu numa época antes de cristo, coisa pra gente chata. Com Gustavo não gostava de perder o seu tempo vendo aulas de filosofia o seu ego inflou e o seus neurônios forma se perdendo com o tempo. Seu motivo de viver foi esquecido, ou melhor, jogado no lixo, isto por que só existe uma filosofia a seguir, eu quero sexo e pode colocar mais. Existia uma figura no mundo filosófico que despertou a simpatia em Gustavo e foi um meio habilidoso que se utilizou para chegar mais perto de Beatriz. Esse sujeito era Santo Agostinho, celebre pela sua máxima “Deus me conceda a castidade, mas não agora”. O engraçado nisso tudo é que (...)


Para continuar lendo ao capitulo 1 visite a pagina aqui.

Carta Aberta ao povo brasileiro



Povo brasileiro.

Estamos a beira da calamidade da moral e da ética neste país. Escrevo isso com imensa tristeza, pois assim como muitos dos poucos que poderão ler esta carta, eu também sou brasileiro e amo o meu país.

Passamos por momentos difíceis no passado. Interpusemos a democracia na esperança de nos livrarmos da repressão que encobria todo e qualquer ato de violência. Foi com o nosso suor, com a nossa cara pintada que conseguimos expulsar aqueles que feriam o coração deste país. Faz exatamente pouco mais de 20 anos que vivemos sob um regime democrático. Eis que na primeira eleição livre de qualquer coação colocamos um individuo que fez mal ao povo brasileiro no seu segundo ano de mandato. O expulsamos da cadeira que nós havíamos colocado. Porém, insistimos no erro ao eleger outra vez mesmo sabendo que no passado ele havia prejudicado a todos nós.

Toco neste assunto pois o Brasil passa por sérios abusos da moralidade, do desrespeito ao principio da legalidade, e qualquer outra virtude que nos diferencia dos animais... afinal, julga-se que eles são irracionais e nós, pelo contrário, somos “racionais”.

Erramos ao eleger um inimigo do Estado brasileiro. Mas anos mais tarde colocamos ele mais uma vez na cúpula do poder.

Pois bem. Agora os ventos são outros. O que temos? Temos o senado contaminado por corruptos e falsos moralistas. Nossas casas são invadidas por impostos enquanto que eles discutem todos os dias a possibilidade de um 15ª, 16ª salário!

Vivemos o horror. O que me impressiona povo brasileiro é a nossa capacidade de assistir todo esse horror sentado e calado. Estamos inertes! E como poderemos ter orgulho um dia de um passado que estamos escrevendo? Como poderemos dizer aos nossos netos, ou filhos que vivemos num país onde se é respeitado a justiça, onde todos são livres e que aqui se respeita os direitos humanos? Como faremos isso diante de uma sociedade que não se mexe ao ver grupos partidários promoverem jantares para pagar as multas de seus companheiros que foram condenados num dos maiores julgamentos da história deste país?

Eu não sei responder se posso acreditar na justiça. Enquanto centenas de pessoas morrem por descaso dos governantes em fiscalizar casas noturnas, eles elegem um corrupto, um homem que tem a alma suja da mais absurda sujeira que se pode descobrir no âmbito da moral e dos BONS costumes!

O carnaval esta prestes a começar. Iremos ver centenas, milhares de pessoas saírem as ruas para comemorarem o carnaval. Mas nunca veremos centenas e nem milhares de pessoas saírem as ruas para reclamar dos escândalos que vemos por aqui. Enquanto isso o negócio ferve na Índia por causa do estupro de uma jovem num ônibus. A coisa é feia lá no Egito, pois lá se comemora a primavera árabe. E aqui no nosso país... Comemoramos jogos de futebol e festas como o carnaval!

Toma vergonha nessa cara povo brasileiro e veja nos jornais a imagem de um homem absurdamente corrupto tomar posse como presidente do Senado.

E vejam que mesmo com o abaixo assinado, mesmo com o clamor das mídias, mesmo com os escândalos e processos tramitando na justiça, o Senado brasileiro fez questão de colocar este homem mais uma vez no poder! Escutem amigos! O SENADO NÃO OUVIU O NOSSO GRITO DE PROTESTO!

Eu amo meu país, mas assim, do jeito que esta, não tenho a minima vontade de bater no peito e dizer que sou brasileiro...